quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Tratamento de Mucosite com Própolis

Tenho sofrido muito com a mucosite e fungos que apareceram na boca decorrente da radioterapia que faço na laringe, além da perda de saliva.

Estou me tratando com Cariax (digluconato de Clorexidina) e Nistatina que é o protocolo padrão.

Porém, pesquisando na Internet descobri um estudo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e da Fundação Ezequiel Dias (Funed), em Belo Horizonte, que atestaram a eficácia superior do uso do PRÓPOLIS no combate da mucosite em pacientes oncológicos de cabeça e pescoço submetidos a radioterapia e/ou quimioterapia.

Veja link de matérias sobre o assunto abaixo
http://www.ufmg.br/boletim/bol1634/4.shtml

http://t.co/LLyYb6t

http://www.doutordagoberto.com/propolis/

Eu tenho feito um teste prático na minha boca e estou concluindo que realmente o Própolis tem um efeito superior aos demais medicamentos, reduzindo a mucosite e fungos, assim como melhora a salivação. Embora continuo me tratando de forma complementar, sem abandonar a Nistatina/Clorexidina.

Estou usando um extrato aquoso de própolis (sem álcool) Propomax da Apis Flora, que tem uma boa qualidade e vem sem aquela cera que geralmente tem no própolis.

Hoje  fui fazer o laser na boca na estomatologia do A.C.Camargo  e falei para a dentista  que estava usando o Própolis e ela falou que se estava dando certo para continuar.

Uma boa notícia para quem faz radioterapia na cabeça e pescoço.

6 comentários:

  1. Viva, Felipe! Pesquisando e divulgando, generosamente. Fico feliz, por ser mineira, que o estudo tenha sido conduzido na nossa Universidade Federal. Sugiro que você procure também, no site da ESALQ-USP, as pesquisas de Dra. Jocelem Salgado e equipe no campo da alimentação funcional e alternativas de tratamento. Um forte abraço para você e família. Vou para o sítio amanhã e devo ficar por alguns dias. Quando voltar farei contato. Até lá conte com minhas orações. Que Deus o abençoe.
    Angela
    http://noticiasdacozinha.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Felipe
    Fiz uso de própolis durante a minha quimioterapia inteira, tanto o Spray, como o Extrato que não contém Glúten e Álcool,
    Por final Mel com Própolis e Guaco, quando sentia vontade de comer doce.
    Conversei com o meu Oncologista, afinal não tive mucosite, não tive baixa imunidade e não engordei um grama sequer (pesando agora ao final do tratamento).
    Situações atípicas, que achei interessante relatar, ele torceu o nariz.
    O que para mim não quis dizer nada.
    O importante é, resultados de um produto testado por órgãos competentes como com ISO 9001, aprovado pela Associação de Diabetes Juvenil, não estamos falando de Chá de Graviola.
    Se você esta melhorando Glória a Deus, você não sabe o quando fico feliz.

    Um Grande Abraço.
    Wilma
    www.cancerdemamamulherdepeito@blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Isso é mais que uma boa notícia!!! E nem fazia ideia que era daqui, de nossa universidade...Continue nessa luta e principalmente descobrindo e partilhando, generosamente, informações tão preciosas. Amanhã, quinta-feira, é dia de trabalho "oficial" lá na Casa do Richard e como escrevi na postagem anterior, está conosco... Se possível, às 19hs (horário que começamos os trabalhos)tente se conectar (à sua maneira)conosco e com ELE!
    Beijuuss iluminados n.c.

    www.toforatodentro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. obrigado Regina, vou tentar me conectar.

    ResponderExcluir
  5. Estou com mucosite na boca, após quimioterapia e radioterapia.
    Somado a cândida, secura na boca, garganta dolorida com crise de tosses.
    Por favor, gostaria de saber se o uso do própolis causa ardênciana boca ou garganta.
    Muito obrigada por compartilhar sua experiência.
    Um grande abraço.

    Yumi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acabei de comprar e usar, arde sim, arde muito mesmo, mas pensa em arder muito e multiplica por 100, quando o própolis caiu na minha língua meu Deus do céu, nunca sendo nada igual, minha língua, boca e garganta queimaram, comigo se tivesse espremido um limão numa ferida aberta. Não vou usar mais. Deus me livre.

      Excluir