terça-feira, 19 de julho de 2011

Metástases

Hoje estava lembrando dos acontecimentos dos últimos meses e refletindo que eu não consegui assimilar direito quando recebi a notícia em Maio/2011 que os nódulos do pulmão tinham crescido um pouco e o aparecimento de nódulos no fígado.

O primeiro impacto, lembro de que peguei as tomografias e li os laudos um pouco antes de entrar em consulta com o oncologista. Minha impressão era que o câncer tinha se espalhado e o câncer no fígado me apavorou.

Entrando na consulta o médico de uma certa forma me acalmou e depois também passei a ponderar que no meu  caso estava descobrindo estes nódulos do fígado no começo e que com a quimioterapia seria possível reverter o  quadro. Os nódulos do pulmão nunca foram uma grande preocupação e apesar também de terem crescido havia alguns meses que estava sem fazer quimioterapia e com a retomada da quimio estes nódulos poderiam ficar sobre controle e até desaparecer.

Desta forma racionalmente consegui administrar estas notícias, porém refletindo hoje acredito que em termos mais profundos houve um certo abalo de minha auto-confiança, que sempre foi tão forte.

Internamente começou a surgir um medo de morrer, um medo de que as coisas poderiam não se comportar da maneira como havíamos planejado.

Esta situação ficou de certa forma escondida pois em Maio estava no auge de minhas forças, saindo de uma lenta recuperação da quimioterapia e radioterapia realizadas em 2010/2011 e estava curtindo muito a vida.

Duas a 3 semanas antes da convulsão havia tido alguns pensamentos depressivos que são pensamentos totalmente fora do meu padrão,pois sou muito otimista. Havia conversado com a minha mulher sobre isto e ela tentava me colocar para cima.

De uma certa forma é como se eu tivesse uma intuição de que alguma coisa iria acontecer. Sentia como se eu não fosse viver muito tempo.

Tentava afastar estes pensamentos e viver uma vida normal, com auto-confiança em relação ao tratamento mas no fundo internamente minha confiança estava abalada.

Não sei se estes pensamentos já eram em função desta metástase cerebral que pode ter mexido na parte do humor, ou se o fato de estar mais fragilizado acabou por facilitar a ocorrência desta metástase. Enfim são coisas que nunca iremos saber.

Agora depois desta metástase cerebral, apesar de todo o milagre que fui beneficiado, por mais que eu seja autoconfiante e tenha fé, existe o lado fraco que teme os desdobramentos e fica apreensivo.

Por outro lado acho que tive muita sorte em descobrir sem querer o nódulo no cérebro, devido ao edema cerebral, e principalmente a sua retirada. Com a cirurgia e retirada de margem de segurança e agora com a radioterapia tenho grandes chances de não haver o retorno de nódulos no cérebro, o que é uma grande benção.

O fato de ter tido a convulsão foi uma experiência ruim, principalmente para a família que presenciou, mas por outro lado a cirurgia de emergência embora tenha trazido fortes impactos a todos devido a possibilidade eminente de morte e possíveis sequelas, foi um sofrimento intenso mas rápido, diferente da primeira cirurgia da garganta que demorei vários meses para me recuperar.

De uma certa forma sinto que Deus tem um plano na minha vida e que talvez minha história e meu testemunho talvez sejam fatores que justifiquem minha permanência neste plano por mais tempo.

Alternâncias entre pesar e alegria se misturam, mas existe no fundo um sentimento de serenidade. Esta serenidade veio com a experiência de quase morte que passei e o sentimento de entrega da alma para Deus.
A vida adquiriu novo significado e cada experiência mais intensa.

Sinto muita alegria de viver e vontade de viver bons momentos, mas ao mesmo tempo uma preocupação constante com o futuro. Sinto necessidade de alegria e descontração, de desanuviar os pensamentos, de curtir cada momento e esquecer que estou em tratamento de câncer. Enquanto me sinto bem, isto é o que importa.

Por outro lado, sinto como se o dia da minha morte tivesse sido dia 02/07/2011 e todos os dias que vivo além disto são dias de acréscimo, os quais tenho que agradecer por cada dia.

Não deve então existir o medo da morte, pois não posso ter medo de uma coisa que já aconteceu. Parece meio louco né, mas é um sentimento interno de gratidão a Deus por continuar vivo e uma forma de conseguir manter uma certa despreocupação quanto a doença. É um contentamento por tudo o que possa acontecer, mas não significa uma entrega a doença, mas ao contrário uma entrega a vida.

7 comentários:

  1. Conversamos sobre isso ontem no skype, fiquei feliz em vê-lo sereno e com os pés no chão. De vez em quando vai surgir, lá no fundo, esse sentimento ambíguo de receio e esperança - embora eles pareçam antagônicos -, mas você irá vencendo cada nova etapa que surgir. Deus continua a fazer seus milagres em você, não tenho dúvida. Meu carinho, sempre. Bjs, Angela

    ResponderExcluir
  2. Vc vai chegar a cura. Li alguns textos de pacientes com metástases que conseguiram chegar a cura. Existem novas drogas para a neoplasia de pulmão. VC PODE ATÉ PENSAR, MAS NUNCA DIGA NADA CONTRÁRIO A SUA CURA. Vc vai se curar sim! Aliás, vc já está curado. O que vc sente são apenas sintomas de uma doença q n existe mais. São apenas sintomas. Toddos sumirão. Vá vivendode glória em glória.

    ResponderExcluir
  3. Vc é a esperança!Ler o que vc escreve deixa o coração da gente mais feliz. Além dos milagres, a sua força de vontade de viver. Meu pai esta com cancer de rinorafinge, e tem grandes chances de ficar cego pq terão q fazer braquiterapia perto do quiasma otico. É uma dor intensa pra mim, mas tenho fé de q tudo dara certo! força rapaz! pensamentos positivos pq a cabeça é responsavel pela cura do corpo fisico! beijos carinhosos

    ResponderExcluir
  4. Gostei do seu artigo. Também estou enfrentando meu segundo cancer primeiro intestino e segundo pulmão. Estou me sentindo muito mau com a quimioterapia. As pessoas me vêem e acham que estou desanimado, mas na verdade estou me sentindo enjoado e com o corpo fraco e pensamento lento. Tenho fé que Jesus vai me curar. Mas é bom ouvir vc falando.Por não fácil lidar com nossos sentimentos.

    ResponderExcluir
  5. Que bom ler este relato! Fui diagnosticada a 15 dias com metástase. Mama, fêmur, pulmão e fígado. Eu quero muito viver, e a busca da cura, quem sabe ela vem pra mim pra Deus nada é impossível!!

    ResponderExcluir
  6. Minha mamãezinha está com metástase de um câncer de mama ,no cérebro e no fígado... Estou com muita fé em Deus,e nos tratamentos que ela será curada,sou filha única e só tenho ela por mim. Dói muito essa realidade,mas percebo o quanto sou forte para enfrentar tudo isso . Nao cai uma folha se quer de uma árvore,sem que Deus queira . Vocês sabem de alguém que foi curado?

    ResponderExcluir